Área do Assinante

Acesse sua conta e leia agora as principais notícias da nossa cidade e região e conteúdos exclusivos d'O SUL DE MINAS.com.

Cadastrar
Perdi minha senha!
Acesse www.osuldeminas.com

SAPATO APERTADO DÓI NO CALO

04/11/2016 às 09:46

As falcatruas promovidas por políticos, de todos os escalões, começam a ser descobertas e muito oportunamente punidas com o rigor necessário.
Já ficou para trás o tempo em que político roubava e tudo ficava por isto mesmo.
Ainda que muitas pessoas acreditem que a punição para os crimes praticados por "colarinhos brancos" ainda seja ficção, a realidade começa a ser modificada.
Ladrão de galinha ou do patrimônio público são iguais e vão presos.
É certo que as punições ainda sejam aplicadas dependendo de setores do Judiciário que atuem ou não.
Enquanto a nação inteira acompanha e vibra com o desempenho eficiente e eficaz do Juiz Sergio Moro, a mesma situação não ocorre em comarcas onde a morosidade e a pequena eficiência são características.
A desesperança impera nestas localidades.
A remuneração oferecida aos membros do Poder Judiciário é gigantesca quando comparada ao ganho de trabalhadores da economia privada.
Nem por isto se consegue observar a mesma escala de produção.
Os juízes e demais membros do Poder Judiciário ganham extremamente bem para um país pobre.
Não se questiona os valores percebidos e nem as vantagens adicionais. Espera-se que sejam proporcionais ao desempenho.
Considerando que este é um país pobre, em formação e repleto de injustiças, pode-se esperar das classes mais intelectualizadas o exemplo de conduta e bom senso para que a tão sonhada justiça social aconteça de forma espontânea e efetiva.
A aplicação correta e célere da justiça terá como consequência a formação de futuras gerações crédulas nas instituições e tementes de atos ilícitos.
Se hoje, com tantos problemas e dúvidas nos órgãos governamentais, já há uma visão de que os corruptos, em todos os níveis, começam a ser punidos, imaginamos o paraíso que teremos quando não tivermos mais injustiças aceitas como normais.
O Brasil que queremos é o Brasil justo e igualitário para todos.
Que o zé mané seja tão bem tratado quanto o dr. fulano.
Não se pode mais aceitar que só a base da pirâmide social pague a conta e que as camadas mais abastadas ou beneficiadas fiquem no lucro.
Que estas reformas, iniciadas com a aprovação da PEC241, propiciem melhorias para todos, sem exceção.
Que aqueles que praticaram falcatruas sintam o sapato apertar. Afinal de contas, o ditado é certo: sapato apertado dói no calo.
Assim seja


Recomendar a um amigo Voltar
Ver todas as notícias em Editorial Ver todas as notícias

Mensagem rápida | Editais | Adm | Classificados | Comercial | Leitor

The CAPTCHA image

Em Áudio

Digite abaixo os caracteres acima correspondentes.


cancelar

Jornal O Sul de Minas | Rua Xavier Lisboa, 316 CEP: 37501-042 | Itajubá, MG - Brasil | Telefax: 35 3621 1522

Sites profissionais para o seu negócio